Beasts of No Nation (2015)

Primeiro longa metragem produzido pelo Netflix, Beasts of No Nation conta a história do jovem Agu (o pequeno e impressionante Abraham Attah) que após a morte de sua família é adotado pelo Comandante de um grupo guerrilheiro de um obscuro país da África, tornando-se parte de um exército formado em sua maioria por crianças. Escrito e dirigido por CaryFugunaga (da primeira temporada de True Detective), Beasts possui ecos inegáveis de Apocalipse Now, seja na figura ao mesmo tempo fascinante e repugnante do personagem do Comandante interpretado por Idris Elba como na própria trajetória de Agu, que vai se tornando cada vez mais violenta e surreal, numa espiral de violência regada a lavagem cerebral, rituais sadísticos e abuso de todo os tipos. Continuar lendo “Beasts of No Nation (2015)”

Canibais (2015)

Homenagem explícita aos filmes de canibais que explodiram no cinema italiano nos anos 70 e 80 – em especial o maldito Canibal Holocausto – o novo filme de Eli Roth (de O Albergue e o recente Bata Antes de Entrar) entrega exatamente o que se espera deste tipo de filme: muitas visceras, cenas de desmembramentos e abusos dos mais diversos tipos, com um gore caprichado cortesia do mestre Greg Nicotero e mais duas equipes de efeitos visuais.

Continuar lendo “Canibais (2015)”

As Memórias de Marnie (2014)

Provável último filme do estúdio Ghibli – que nos deu obras primas como Meu AmigoTotoro, A Viagem de Chihiro e o recente A Lenda da Princesa KaguyaAs Memórias de Marnie é uma obra de uma sensibilidade e delicadeza ímpares. E mesmo que não chegue a ser uma obra-prima perfeita como os citados acima, é um filme maravilhoso e emocionante – o que nos força a cair novamente no clichê já comum às obras do Ghibli: um verdadeiro poema em movimento. Continuar lendo “As Memórias de Marnie (2014)”

Bata Antes de Entrar (2015)

A assinatura de Eli Roth na direção do suspense Bata Antes de Entrar poderia dar a entender que estamos de frente a um filmes repleto de vísceras, com um gore dos mais exagerados e repleto de misoginia. Quase lá. Ainda que esteja bem mais contido do que em suas obras mais conhecidas, como O Albergue, Cabana do Inferno ou o ainda inédito Green Inferno, é fácil perceber que algumas opções conceituais obedecem claramente à cartilha estabelecida pelo diretor: o desenvolvimento parco dos protagonistas, a completa falta de sutileza, um humor para lá de equivocado e lições de moral das mais infames. Continuar lendo “Bata Antes de Entrar (2015)”